Nenhum projeto musical sobrevive sem o marketing musical. 

Você, como artista, dupla, DJ, banda ou como qualquer outro negócio, não sobreviverá se ninguém souber que você existe (e compre de você).

Ou o que é pior: se as pessoas até sabem que você existe mas não se importarem com o que você tem a oferecer, que é o caso mais comum. 

O mercado musical é um dos mais competitivos e abundantes em termos de produtos e serviços.

Você não vê uma quantidade tão grande de novos produtos sendo lançados semanalmente como ocorre com o mercado musical – talvez só a arte digital supere isso. 

O fato é que não importa o quanto a sua música seja boa, o quanto a sua mensagem para o mundo seja impactante, de nada adianta ser talentoso e extremamente profissional se você não entregar o que as pessoas querem, quando elas querem e como elas gostariam de receber. 

Nesta série sobre Marketing Musical, vamos explorar o que está abaixo do Icerberg, deixando para o Curso de Marketing Musical da Gestão de Bandas a parte mais teórica e prática. 

E não esqueça de realizar o nosso diagnóstico de Marketing Musical gratuitamente clicando aqui.

 

O Marketing Musical

Marketing Musical

O principal objetivo do marketing é identificar e satisfazer as necessidades humanas e sociais.

Logo, o principal objetivo do marketing musical é identificar e satisfazer as necessidades humanas e sociais através de produtos e serviços em torno da música. 

Um erro ainda cometido por diversos músicos e artistas é criar algo para si, e não para o consumidor.

Consumidor aqui entra o fã, um contratante e outros clientes que você terá (imprensa, rádios, tv). 

Uma das dicas é você compor suas músicas e todo o material de comunicação baseado nas experiências, rotina, gostos e opiniões da sua tribo.

Isso não significa que você precise se adaptar aos gêneros musicais mais populares hoje no Brasil e no mundo.

Você precisa identificar vários conceitos que não são abordados sobre o Marketing em outros locais. 

 

Atenção

Marketing Musical

As pessoas não tem mais tempo como antigamente, e chamar a atenção delas está ficando cada vez mais difícil. 

Pense em todas as coisas que estão competindo pela atenção dos seus fãs neste exato momento: jogos de videogame, aplicativos de celular gratuitos, campeonatos de futebol…

Séries da Netflix, jogos de tabuleiro, espetáculos de dança, novelas, livros, vídeos do Youtube, filmes da Marvel…

Essa é a primeira coisa que você precisa saber sobre o marketing musical: a atenção das pessoas é limitada. 

Parece óbvio, mas eu observo bandas publicando tantas coisas irrelevantes que não me admira serem esquecidas rapidamente. 

Nosso cérebro é seletivo. Ele vai filtrar as informações que recebemos e focar no que nos dá prazer, com o menor esforço possível. 

Uma das grandes sacadas para você passar pelo filtro é aplicar outras artes para chamar a atenção, algo que levantamos no artigo sobre o Novo Artistaclique para iniciar a leitura. 

Com elas, você conseguirá construir mais narrativas e elementos que despertam a atenção. 

Parar para ouvir 3 minutos de uma música desconhecida pode ser uma proposta dolorosa para o cérebro. 

Com um feed recheado de memes engraçados, conteúdos controversos, vídeos de fails e aquelas frases motivacionais que viralizam, fica difícil disputar a atenção.

Abuse de lives, vídeos bem produzidos, artes bem elaboradas, fotografias incríveis e narrativas que desperte a curiosidade para a pessoa clicar e ir para o seu site. 

Agora, uma coisa é você chamar a atenção se vestindo como a Carmen Miranda e seu figurino exótico. Outra coisa é você chamar a atenção sendo mais interessante e útil, para que de fato você atraia pessoas dispostas a adquirir produtos e serviços que o seu projeto musical oferece. 

Vejo muitos artistas e músicos querendo aparecer na TV.

Eles de fato conseguem ocupar o espaço de canais que nada tem relação com seu público, também não tem audiência e muito menos possui qualidade.

É tempo gasto de energia com coisas que não vai mudar em nada, exceto inflar o ego e mandar um beijinho pra mamãe. 

Conquiste a atenção de fãs, contratantes e outros profissionais do mercado musical que têm mais chances de comprar de você e o seu projeto musical inevitavelmente crescerá. 

PS: Aproveite para realizar o nosso diagnóstico de Marketing Musical gratuitamente clicando aqui.

 

Receptividade

Marketing Musical 3

Como disse anteriormente, as pessoas ignoram o que não é interessante para ELAS. 

A maneira mais rápida para ficar no vácuo por uma pessoa é começar a falar de algo que não interessa à pessoa. 

Receptividade é a medida do quanto uma pessoa está aberta a mensagem contida no conteúdo do seu projeto musical.

E aqui não estamos falando apenas das músicas, mas em todo o conteúdo e história que uma música ou álbum pode oferecer. 

Se a proposta do seu novo projeto musical é abordar temas como solidão, rejeição e amor não correspondido, eu, que não estou passando por isso neste momento, não vou parar para prestar atenção. 

Não adianta falar, pedir pra ouvir, pra assistir, pra comentar. Eu não vou perder meu tempo. 

Agora, se a sua canção fala sobre como você venceu as dificuldades da vida através de motivação, que ajude a levantar meu astral, é bem possível que ela entre na minha playlist matinal. 

Se está complicado de entender, pense num vegano.

Você pode tentar usar vários argumentos sobre os benefícios da carne, imagens, vídeos, infográficos, opinião de especialistas… ele vai ignorar. 

Pra não cair na armadilha de ficar criando conteúdos irrelevantes para a internet, pense no que e quando o seu conteúdo poderá ser receptivo. 

Digamos que o seu público está na faixa dos 18 aos 26 anos de idade. É bem provável que boa parte delas esteja no trabalho durante a manhã/tarde e de noite na faculdade/curso.

Pedir para o cara ouvir a sua música durante o expediente ou horário de estudo dela é pedir para ser ignorado.

Substitua por conteúdos mais estáticos, com textos e imagens, mostre que você também está trabalhando, se esforçando, que logo acaba e você irá jantar com a namorada, que foi tema da música X…

Isso vale também para comunicação com os contratantes.

Você não tem o contato de uma pessoa sequer naquela cidade, não sabe se a tua tribo tá por lá, e dai pede uma data pra tocar no lugar. 

Você chega com música e números gerais de redes sociais, pedindo R$7k de cachê.

Você será ignorado.

Mas se você dizer que tem uma base de fãs formada pela tribo X, que tem um consumo compatível com o local, vai ajudar muito mais. 

 

Ser Notável

Marketing Musical 4

Outro dia eu estava passando pelo shopping e cruzei com figura extravagante e carismática, que imediatamente despertou a minha atenção. 

Imediatamente meu cérebro despertou um instinto de curiosidade, que me fez querer saber mais sobre aquela figura extravante. 

Fui até a pessoa e puxei papo.

Ela se identificava com o Steampunk (uma tribo urbana), curtia uns livros de ficção, gostava de se vestir de forma mais futurista, curtia Abney Park, mas também curtia Hardrock, enfim, foi um papo de uns 10 minutos. 

Ser notável é a melhor maneira de chamar a atenção da sua tribo.

E você não precisa ser extravagante ou se parecer excêntrico para isso. 

Como disse o mestre de Marketing Seth Gotin, um campo cheio de vacas marrons é desinteressante.

Mas uma vaca roxa vai instigar a curiosidade de todo mundo. 

O Sertanejo, o Funk e o Hip Hop são alguns dos exemplos.

É muito fácil perceber a identificação que eles tem com suas tribos, basta observar seus trajes, linguagem, estilo de vida, comportamento nas redes sociais… e são os 3 gêneros mais ouvidos no Brasil atualmente. 

Não ser notável é tentar se comunicar com metaleiros vestindo sapatênis e camisa de jogador de polo aquático. 

Ao ser notável para as pessoas que se identificam com você, fica muito mais fácil para iniciar um relacionamento e poder falar sobre o seu projeto musical. 

Já percebeu como são apresentados os cursos e conteúdos da Gestão de Bandas?

Nós nos inspiramos em posters de shows para criar uma comunicação e ser notado, diferente dos demais. 

Pesquise o que a sua tribo faz, como se veste, como fala, como escreve, o que gosta, e certamente você conseguirá chamar a atenção necessária para “desenrolar a conversa”. 

E claro, crie conteúdo abundante em torno da sua música usando estes elementos. Sem dó, sem timidez, combinado?

PS: Aproveite para realizar o nosso diagnóstico de Marketing Musical gratuitamente clicando aqui.

 

Resultado Final

Marketing Musical 5

As pessoas não vão até uma loja para comprar uma furadeira, elas vão para comprar furos na parede.

O fato é que ninguém deseja realmente ter uma furadeira. Compramos porque queremos ter o benefício dos furos que ela irá gerar. 

Será que as pessoas querem realmente ouvir música?

Ou será que elas querem ter minutos de descontração, entretenimento, relaxamento? 

Ou autoafirmação, coragem? Imaginar coisas boas? Fugir de coisas ruins?

Você terá mais resultados no marketing musical quando se concentrar no resultado final desejado, que normalmente é uma experiência ou emoção diferenciada que você produz através da música. 

Concentre-se nos benefícios do seu produto musical. Como eu me beneficiaria do que a sua banda faz?

Um exemplo é uma publicação qualquer nas redes sociais.

Ao invés de “ouça a minha música, ela está disponível no…”, prefira: 

“Procurando uma música para relaxar durante a pausa do trabalho? Baixe gratuitamente a canção X que acompanha bem com café”. 

“Buscando uma boa energia para começar aquele projeto engavetado? Clique abaixo.

Ou então: “Aquela garota fisgou o seu coração? Eu quero te contar como isso é bom, clique para assistir”. 

Quer destacar um show?

“Dia X estaremos reunindo toda a galera do rap na cidade de Curitiba para o Show ‘Gigante’, um espetáculo de luz e som que vai fazer você se esquecer de todos os seus problemas por 3 horas”. 

Ao usar o Resultado Final você mostra o benefício ao invés dos detalhes que é ir num show: pagar por ingresso, receber o ingresso, imprimir o ingresso, pegar o carro/uber, ir até o local, ficar na fila, esperar o artista entrar no palco, ficar com fome, gastar, pagar a conta, pagar o estacionamento/uber, ir embora. 

Tente explorar ao máximo os benefícios quando for desenvolver uma chamada para um show, um vídeo, álbum, ep, single, que os resultados serão melhores. 

PS: caso você tenha dificuldades, consulte nosso parceiro em Redação Artística para que ele possa criar textos chamativos e gerenciar suas redes sociais de forma completa. 

 

Qualificação

Marketing Musical 6

Quem está errado: o artista/músico que aceita uma oferta de R$300 por hora de show ou o contratante que paga R$300 por hora para um artista /músico se apresentar no espaço dele?

Na minha linha do tempo das redes sociais eu percebo muitas reclamações de contratantes, dizendo que eles pagam pouco, que as condições não são boas e dai pra pior.

O que eu respondo quando pedem a minha opinião? 

Não toque lá.

Procure outro local, faça você mesmo os seus eventos, negocie melhor.

Nem todo cliente é um bom cliente e é preciso ter sabedoria para recursar clientes tóxicos ou que não possui estrutura para que a sua proposta de valor ganhe vida.

Se você quer entregar um resultado final ‘X’ para seus fãs, mas o contratante não tem a estrutura para isso, por que você ainda está perdendo tempo com isso?

Se a cidade não tem pessoas da sua tribo ao seu alcance, você vai tocar para pessoas sem receptividade e não vai conseguir chamar a atenção

A qualificação é um processo de avaliação do cliente em potencial, minimizando as chances de desperdiçar o seu tempo com alguém que não se adapta aos seus objetivos. 

A Qualificação é o mesmo que o seu contratante faz com você.

Será que aquela banda vai dar problemas? Será que vai ser benéfico para o meu estabelecimento trazer eles? Não tem muitas informações aqui… será que eles vão trazer público?

A obrigação de levar público para o seu show é sua responsabilidade. 

Enquanto você continuar acreditando que é responsabilidade do contratante, você continuará sendo um ‘ponto de interrogação’, uma aposta de risco para qualquer contratante.

E na dúvida, ele vai para o que é certo – não vai negociar com você. 

Se você já tem anos de banda e não tem sequer o e-mail ou contato de 100 fãs na cidade do contratante, você é um abacaxi que poucos contratantes vão querer. 

O contratante também evitará negociar ou apostar na sua contratação se ele possui outras bandas e artistas que são ‘vacas leiteiras’ para ele, afinal, ninguém gosta de correr riscos quando as coisas estão indo relativamente bem. 

Trabalhe duro para ter um produto/serviço Estrelinha para o seu contratante, onde ele possa ter margens superiores das ‘vacas leiteiras’ que ele possui atualmente, saindo da posição de ponto de interrogação e abacaxi. 

PS: Aproveite para realizar o nosso diagnóstico de Marketing Musical gratuitamente clicando aqui.

 

Ponto de Entrada

Marketing Musical 7

Tentar chamar a atenção das pessoas que não estão interessadas pelo que você faz é um desperdício de tempo, dinheiro e energia. Até agora ficou bem claro isso, né?

Em 2017 minha esposa anunciou que estava grávida, e que em 2018 teríamos um bebê.

Até ali, qualquer conteúdo sobre bebês não me interessava.

Eu pulava anúncios, passava batido nas sessões sobre educação infantil das livrarias e nas sessões de produtos para bebê dos supermercados. 

Agora tudo mudou.

Eu busco informações quase que diariamente no buscador do Google para tirar dúvidas e encontro em variados sites informações e quiçá, acabo comprando por indicação.

Outro dia comprei um descanso para bebês porque uma fabricante fez um artigo e mostrou como aquele produto me traria benefícios. Bingo!

A fabricante identificou um ponto de entrada e me atraiu com conteúdo relevante, apresentando benefícios e conseguiu vender para mim. 

Você já pensou no ponto de entrada dos seus fãs, imprensa, rádio, tv, contratantes?

Qual é ponto que em que elas se tornam receptíveis para entrar em contato com o seu projeto musical?

Quando elas terminam um namoro ou quando começam? 

Quando elas querem aliviar o stress ou se socializar?

Quando querem ganhar mais dinheiro através da sua audiência do que com as outras bandas?

Tendo consciência dos possíveis pontos de entrada você terá condições de desenvolver conteúdos para o seu blog e rankear determinadas palavras-chave que você considera como ponto de entrada para que eles possam conhecer o seu trabalho. 

Se você produz músicas e letras com foco no social, identifique quais as palavras-chave que as pessoas buscam e produza conteúdo em cima disso. 

Criei anúncios no Google Ads comprando tais palavras-chave e trabalhando artigos no seu blog. 

Essa é a maneira mais fácil de atrair pessoas no ponto de entrada delas no seu mercado. 

Aproveite para realizar o nosso diagnóstico de Marketing Musical gratuitamente clicando aqui (você vai receber no Messenger). 

 

Série

Este é o primeiro artigo da nossa série de artigos sobre Marketing Musical. Deixe o seu comentário sobre o que você gostaria de ler nesta nossa série. 

Queremos apresentar para você aquilo que ninguém fala sobre o Marketing Musical e como você possa tirar proveito do todo.

Talvez você esperasse algo sobre redes sociais e anúncios pagos. Sim, falaremos também sobre isso.

O fato é que para você realizar ações de marketing, você precisa compreender a essência dele. 

O Marketing é um universo a parte que vamos desvendar nessa série sobre Marketing Musical!

Aproveite para ler o sendo capítulo da nossa série clicando aqui. 

Aproveite para se inscrever em nossa lista e receba os demais conteúdos desta série diretamente pelo seu messenger! Clique aqui para se inscrever. 

Marketing